quarta-feira, março 25, 2009

o 12º Jogo das 12 Palavras - parte I

Há um ano, no dia 23 de março de 2008, lancei o desafio para iniciarmos este jogo (aqui deixo os links para cada um dos momentos iniciais desta colectiva e lúdica aventura).
A recepção e respostas foram boas. Assim, as 12 Palavras para o 1º Jogo foram aqui publicadas.

Iniciámos esta aventura com a postagem do 1º Jogo das 12 Palavras a X de X de 2008.

Quase um ano volvido após o 1º Jogo, outros 11 corridos e um livro produzido (com textos até ao 5º jogo) continuamos, creio que com prazer, de forma solidária, esta partilha.
De boa saúde _ como se pode ver pelas contribuiões enviadas _ fruíndo as palavras e os seus mútiplos sentidos.
Por mim dá-me prazer o desafio que cada novo jogo - com as suas 12 palavras - acarreta, bem como a partilha de imaginários.
Saúdo os novos participantes que vêm enriquecer o colectivo:
Agradeço às e aos amigos que se mantém empenhados com o entusiasmo de sempre.
Saúdo as e os amigos que por razões de suas vidas não têm podido colaborar como desejariam e espero o seu breve retorno ao nosso convívio.
Deixo o desafio para o 13º Jogo _ dar-me-ia e creio que a todos grato prazer contar com a participação de quem esteve presente no(s) 1º(s) _ comemorativo do 1º aniversário do nosso Jogo das 12 Palavras utilizando as 12 primeiras:

AMORTECIDA; AVASSALADOR; AZUL;CÉU; COMUNGAR; DISTANCIAMENTO; ERODIDO; FAROL; FUSÃO;IMENSO; MAR; TEMPESTADE.

Fica feito o desafio e proponho o seguinte calendário:

Envio de textos: impreterívelmente até 21 de Abril de 2009
______________________

A respeito do livro "22 Olhares Sobre 12 Palavras" a amiga Eli Rodrigues sugere a data de 4 de Abril (não confirmada a 100%) para uma apresentação na FNAC de Viseu.
Face à total ausência de respostas a algumas questões, nomeadamente pedido de sugestões
e colaboração - relacionada com esta e outras matérias - não estou em condições de avaliar se valerá a pena o esforço da Eli. Necessitamos, ela e eu, do vosso retorno:
  1. Quem está interessado - ou não - que se realize esta apresentação em Viseu?
  2. Quem estará presente?

Por favor façam-me chegar as vossas respostas com a máxima urgência para que a Eli decida se estão ou não reunidas condições para avançar.

____________________

Enviei-vos imagem da notícia saída no "Jornal de Poetas e Trovadores"







Não houve retorno ,
mas creio que a terão recebido...

á cautela aqui fica!



Passemos agora ao 12º Jogo!

Eis os textos recebidos:

beija-flor parece dizer
amor, palavra singela.
Mas nós sabemos quando tudo se embaraça
no desejo de excluir de tal sentido
a maldição, entre as vitualhas de cada devaneio,
e como então nos falta a coragem e a virtude da partilha.
Benjamim já fui,
com a simplicidade dos murmúrios aparentes.
Mas a ode que a família julga assim tecer,
dita com a flauta cujo som embala e anuncia
todas as fecundações da verdade,
não vence nunca o nosso medo secreto
que o desamor mate a flor
ROCHA DE SOUSA DESENHAMENTO
_________________
eu, benjamim

sou Benjamim, filho mais novo de Jacob _ mais tarde baptizado por Deus, como Israel. dos seus doze filhos nasceram as doze tribos de Israel - ao que dizem seu filho dilecto, mas em verdade, José o era. minha mãe, Raquel, morreu ao dar-me à luz e suas últimas palavras foram o nome que queria dar-me: Ben- Oni. meu pai mudou-o para este por que respondo. nossa vida é regida pela simplicidade. o amor expressa-se em todos os nossos gestos. de uns para com os outros e para com a natureza e Deus que tudo nos dá. a verdade é um valor instilado desde o berço apreendido pelo exemplo dos mais velhos _ só pelo amor, pela verdade e pela partilha nos tornamos dignos da humanidade que o sopro divino em nós instilou. claro que o aprendizado da partilha também é uma necessidade para a sobrevivência da tribo e do clã. assim como a coragem. mas somos pacíficos. vivemos do pastoreio. eu sou pastor e tocador de flauta. alimentamo-nos de legumes e cereais, de leguminosas e do leite das cabras. com eles fazemos os queijos que duram mais tempo e colhemos os frutos que as árvores dão no tempo certo.
com estas vitualhas vivemos saudáveis e longas vidas. por vezes a dieta é enriquecida com peixes e muitos são fumados ou secos criando uma reserva para dias de carência. só em ocasiões festivas comemos carne, sacrificando um ou mais animais, mas para tal lhes pedindo permissão e perdão. as nossas mulheres cuidam dos filhos _ de todos _ pois todos somos uma unidade e confeccionam os alimentos e aprendem, desde crianças, a tecer os fios do linho, do cânhamo e a lã com que fazem as nossas vestes, mantos, mantas e demais panos necessários à protecção dos corpos face as intempéries. aprendemos o valor da poesia e construímos odes ao amor terreno e ao amor divino que nos criou e de tudo nos provê. o amor de uma mulher tem a leveza do beija-flor e faz florescer nossos dias quando nos enriquece com filhos. uma maldição se abateu sobre nós quando vendemos nosso irmão José aos ismaelitas por vinte moedas de prata. mais tarde estes venderam-no, no Egipto, a Potifar eunuco do faraó e chefe dos guardas. desde essa altura os cereais não medraram, os pastos secaram, assim como os poços.
TMara estranhosDias
____________________
ODE ao AMOR
(de Maria para Benjamim)


Já que dizes que o amor é sã partilha,
então ganha coragem beija-flor:
Com simplicidade e com verdade,
duas vitualhas do dito bem-querer,
beija-me a mim, Benjamim.

Mais uma dança de encantar tu vais tecer
quando soprares da prateada flauta transversal
a melodia suave desta doce maldição,

Esconjuro que és
gravado em mim.
Aníbal Raposo
______________________
A flauta toca a ode
que o Benjamim amor
diz voando tal como
o beija-flor
num acto de coragem
e partilha, a tecer
simplicidade
nas vitualhas do desejo
jamais maldição
e sempre verdade!"
Paula Raposo

____________________

LINHA DE SINTRA
(Viagem de comboio)

Campolide era a estação preferida. Capa e nome de um LP de Sérgio Godinho, era a primeira logo a seguir ao túnel do Rossio. Segunda metade dos anos 40. Criança, extasiava-me sempre que andava de comboio, apesar de o fazer diariamente.
Com toda a simplicidade, achava que à janela, era o melhor lugar do mundo. A escuridão do túnel não me assustava. (A força e a coragem demonstradas por minha mãe ao levar-me todos os dias ao hospital para tratamentos, só as compreendi anos mais tarde).
Cruz da Pedra/Jardim Zoológico. Apeadeiro há muito desactivado, era o meu destino no 1º ano do ciclo. Perto da gare, um pequeno riacho, suficientemente grande para um banho completo, se, ao tentarmos a travessia, caíssemos à água. A técnica perfeita para não cair, era ir saltitando de pedra em pedra, apoiado numa das canas fortes que por ali abundavam. Um pássaro que já se habituara à nossa presença (beija-flor, ou parecido) era o complemento perfeito daquele ambiente.
S. Domingos de Benfica e a sua mata. De comboio ou a pé, Cruz da Pedra era perto, era para ali que íamos quando o intervalo das aulas era mais longo. Junto à mata, os Pupilos do Exercito, escola militar onde a partilha de ideais era muito importante.
Com o título pomposo de estação, Benfica era a preferida por todos aqueles, que naquela idade, tinham um amor profundo a um clube de grandes tradições.
Santa Cruz de Benfica , na verdade, era apenas mais um apeadeiro que servia um bairro simpático de vivendas (Muitos anos depois ameaçado por uma via rápida a que chamam Cril.
Damaia. Sempre a confusão com a Maia e as pessoas que lá viviam, ou eram da Maia…) Hoje, completamente remodelada e mudada de local, acrescenta ao nome a antiga Santa Cruz de Benfica.
Reboleira. Inventada por um construtor civil como chamariz para a venda de andares, nunca passou de uma construção iniciada e depressa abandonada. Como se uma maldição a atingisse.
Amadora. Muitos anos depois, tantos que se perdem na memória, passagem obrigatória por essa estação. Cansado do “ pára-arranca “ do IC 19, era ali que apanhava outro transporte que me levava ao trabalho. (Junto à paragem, todos os dias o cego que nos encantava tocando a sua flauta).
Queluz/Belas, sem referências de maior. Paragem obrigatória, era mais uma estação no percurso. Ver as pessoas que entravam e saíam era a única nota de interesse.
Barcarena/Tercena. Em tempos de boleia, era o local de embarque a caminho de Sintra. Antes da construção desenfreada de milhares de prédios e consequente movimento de pessoas, era possível ouvir-se música nos vastos campos em redor. E sonhar com uma ode perfeita para os nossos ouvidos…
Cacem/Agualva. Passada a fase dos estudos em Lisboa, interrompidos para começar a trabalhar, situava-se no Cacém a escola nocturna. Escola onde pensava começar a tecer o caminho para um curso superior. Que não veio a acontecer.
Rio de Mouro/Rinchoa e de nada me lembro.
Nas Mercês, a lembrança da feira anual. A sempre apreciada carne de porco frita (abusavam do pimentão…) e todas as outras vitualhas que nos enchiam a alma e o estômago. (Vim a saber, anos mais tarde, que era ali que ela apanhava o comboio a caminho de Lisboa).
Algueirão/Mem Martins. O primeiro grande dormitório a seguir a Sintra. Era nesta estação que o comboio enchia e deixava de haver lugares sentados. Recordo, no entanto aquela senhora com um bebé de meses (decerto o benjamim da família) que furando, pedindo licença, insistindo, se sentava sempre no mesmo lugar junto à janela.
Portela de Sintra. Apeadeiro construído após a expansão da Vila para os arredores.
Chegou a ser o meu local de entrada e saída, quando, a estudar à noite no Ateneu em Lisboa, o utilizava seis vezes por dia. Durou apenas seis meses, a aventura.
Sintra. Com a remodelação total das estações, Sintra como destino final dos que vinham de Lisboa, perdeu todo o encanto. Hoje, a estrutura lá erguida, já não deixa ver, em toda a sua grandeza, o Castelo dos Mouros lá no alto. Mais funcional é certo, deixou de ser o ex-libris da linha de Sintra.
Zé-viajante
_______________________


amor in

ai amor de beija-flor
partilha de vitualhas
lareira com acendalhas
maldição de querubim
vem a mim
ai vem a mim
diz-me que sim
benjamim
que sem ti eu fico assim
como flauta sem coragem
verdade de fraca aragem
a tecer simplicidades
em ode feita às cidades
com pós de perlimpimpim
ai amor
dá-me por fim
esse sim
de uma paixão
… ou então
dá-me um não!
Jorge Castro
___________________


Alma Perdida

A sua alma vagava sobre os penedos, rugindo atormentada, para todo o sempre amaldiçoada...
Olhava com arrependimento para a sua vida passada,
Vida essa onde a luxúria imperava e o amor era negado,
Uma vida onde o som das flautas soavam toda a noite, acompanhadas de odes a Baco.
Desejaria de ter tido a coragem de ter vivido uma vida de simplicidade,
Mas as luzes luxuriantes e manipuladores da noite eram como vitualhas para a sua alma.
Desejaria de ter partilhado o seu leito com alguém de verdade,
e tecer esperanças e um amor puro,
Mas a sua alma era como um benjamim mimado sempre sedento de caprichos,
Era como um beija-flor bebendo do néctar de diferentes flores.
Só lhe restava agora olhar para este passado com amargura
E passar o resto da eternidade mergulhada num sombrio agrilhoamento.
Mac silence..

______________________

ode à vida

na simplicidade de seu viver, com alegria e coragem, o beija-flor tece uma das mais belas odes á vida quando, de flor em flor, recolhe as vitualhas que lhe são alimento enquanto em toda a natureza, da flauta de Pan, ressoa um cântico de amor – o benjamim da vida. seu filho dilecto. fonte de tudo o que existe - e verdade onde a partilha é a lei maior. tão poderosa que não há maldição que logre inverter este ciclo,mau grado as sucessivas rupturas criadas.
Amla - fragmomentosii

____________________

Ainda em vida
Toquei na velha flauta,
cantata liberta de longos véus
escuros.
Já não há maldição;
espantaste todas as vitualhas,
todas,
pelo meu salão escuso.
Amor?
Fugidio,
nem se lhe sentiu a sombra,
nem simplicidade naquele olhar,
escorregadio de coragem,
em renúncia.
(…)
Ode à orquídea!
Ao beija-flor que a resgata,
entre dois sulcos de brisa!
No redondel do olhar,
foi tão só um benjamim
ascenso de si,
apenas,
naquele meu salão escuso.
Partilha a tua boca, apenas.
Tecer frases feitas
é um caminho de tortura,
sem bermas.
Verdade sem tristeza,
por onde, vida, nos levas,
em melodias de trevos e vielas?…
Jaime A.
_____________________

A UM AMIGO

Amor rima com beija-flor.
Talvez estas duas palavras sirvam para os poetas e poetisas deste jogo puderem comporem os seus poemas e pensarem um pouco na simplicidade do seu impulsionador. Ele, que viveu algum tempo e por vontade própria, em recolhimento e, agora, se encontra junto dos seus benjamins, cheio de coragem para suportar o frio das terras do norte de outro continente deixando em esquecimento a nossa velhinha Europa.
Na verdade, a partilha da sua amizade, por nós todos, é gratificante e entra nos nossos corações como os sons duma flauta mágica ao tecer suaves acordes numa ode ao nosso conhecimento mágico e virtual, proporcionado por este jogo interactivo que, não será só de 22 olhares mas sim, de todos e para todos que queiram participar e, afastar, não direi maldição mas, o mau juízo que muitos fazem, dos contactos e amizades, via Internet.
Espero que, este amigo comum, tenha levado para o jovem continente de índios e cowboys, um pote bem cheio de vitualhas para repartir com os seus familiares, pois assim poderá matar saudades do nosso velho cantinho europeu enquanto se delicia no degusto bem apaladado dos comeres minhotos
Benó

___________________


O espelho reflecte a harmonia de formas apetecíveis,
vitualhas de prazer que só quero partilhar contigo.
Deixa que te olhe e percorra a verdade que é o teu corpo.
Ouve os batimentos acelerados de quem deseja.
Toca os teus lábios nos meus como um beija-flor,
que sorve o néctar doce do absinto.
Sente o ardor do nosso beijo sôfrego e descontrolado,
que nos faz tecer longos mantos de coragem.
Escuta o amor que nos une,
como uma maldição que não queremos que acabe.
Partilha comigo a simplicidade de uma ode,
tocada à flauta por um benjamim qualquer
José Rios

____________________


Beija-flor trinou batendo as asas num repique de graça. Poisou devagarinho no cardeal cor de ciclame e olhou em redor. Beija-flor descansou.
O sol escorria numa quentura morna de sentidos. As folhas verdes gotejavam de brilho. O ar colava-se ao corpo.
Naquela hora, a modorra visitava a natureza mais o homem. Porém beija-flor continuava trinando, a melodia chegou no vento à casa amarela. Clarisse deitou a perna cor de canela para fora do lençol. Rolou a carne na tepidez do ar. Salivou os lábios túrgidos, pestanejou, bocejou e botou o braço para fora. Depois apurou o ouvido. O trinado do beija-flor picou-lhe a orelha.
Beija-flor tinha voltado. Era tempo de amor.
Dengosa enrolou as pernas rebolando as ancas. O gesto destapou uma ode de canela perfumada e palpitante. Faceira agitou os caracóis apertados que teimavam em tapar-lhe o olho de veludo. Estendeu a vista por baixo e gostou do que viu. Mulata boa e tenra. Ela sabia. O corpo pedia e o desejo subia.
E beija-flor trinava.
Cobriu o corpo lindo com vestidinho de alcinhas. Algodão vermelho macio. Sozinho, assim em cima da carne. Uma simplicidade feita beleza.
Enfiou os pés nas chinelas e saiu para a rua. O desejo mole alagou-lhe os seios. Uma coceira redonda. De cima para baixo, e, de baixo até cima. Um zumbido sem tino.
Bateu o portão do quintal. O calor envolveu-a ainda mais. Um treme-treme a ardejar-lhe o corpo. Clarisse zonzou. Deu um passo, mais outro e o requebro de anca tomou conta dela. Gostou.
O beija-flor a trinar e Clarisse a menear.
Vai mato dentro. A melodia chama-a. Beija-flor é o seu maestro.
Bilhó mulato escorreito está jardinando. Vê Clarisse no vestidinho vermelho descendo a rua e dengando a cada passo. Não despega olho, não. Aquela moça tem mandinga. Aquele meneio de canela abrasa-o. Clarisse vai já longe. Levanta-se, deixa o sachinho mais o balde de lado. As flores que esperem. Ele tem que ir colher aqueloutra flor. Já na rua, estuga o passo como se fora gato esticado. Pé aqui, pé ali, na pegada do feitiço de canela. O sol ateia-o ainda mais.
E beija-flor a encantar,
Clarisse ouve cada vez mais perto aquela flauta de trinados tão puros. Parece som de prata a cair na água. Tão lindo! Tão lindo que até dói. E o calor que alaga o corpo. Sente as coxas molhadas. Espreita por dentro do vestidinho de alças. Tudo parece maior. Cresceu. Sente a cabeça a rodar. Olha em volta e de revés. Vê mulato Bilhó. Rapaz bonito e enxuto.
Gosta.
Sente o latejo do seu corpo de canela. Olha-o de soslaio. Espicaça-o. Freme. Pára. Corta um cardeal da sebe de Dona Letinha. Mexe na flor, acariciando o estame erguido. Passa-a pelo rosto olhando para trás de olho bem aberto, lança uma gargalhada. Ai, que ele vem vindo. Ai!
Beija-flor continua trinando e Clarisse dengando.
Aquele tecer insinuante de sentidos faz a coragem de Bilhó subir como se fora balão redondo escapulindo da mão de menino. Estuga o passo. As pernas ágeis desentorpeçam os passos da distância. E chega-se por trás assim devagarinho. Passa-lhe a mão na nádega que adivinha firme e de jeito coloca-se a seu lado.
Sorriem. Olho no olho. Há a luz do desejo. a verdade não tem palavras. Tem gesto.
Dão as mãos. Os braços balançam ao ritmo do andar. Bamboleado em jeito de partilha. Um bater de asas contínuo como se fora beija-flor.
A acácia está florida, o cheiro enreda mais. Clarisse encosta- se ao velho tronco. Defronte beija-flor pipila sobre a folha verde da samambaia. Parou agora. Parece que os está mirando. Bate as asas, assim, sem parar. São as asas de beija-flor ou as mãos de Bilhó num desatino na sua carne de canela?
Suspira fundo, de prazer e fecha os olhos.
Clarisse não sabe mais onde está. Tudo rodopia. O sentido do mundo gira no ventre de canela. A maldição de mulher no suspiro do prazer, fá-la estremecer. Que gostosura, que mundo de sentir. Bilhó é macho possante. Dá-lhe o prazer da vida no reboliço de um vai e vem. Clarisse geme e geme. Trinado de mulher. Pipilar de fêmea. Primícias
Na árvore beija-flor humedeceu. Está quedo. Os olhos mais a cabecita movem-se irrequietos.
A música mudou. Cicios de mulher em pauta de sentir.
Beija-flor pia solitário.Logo, logo, um outro e mais outro…e ai, outro ainda, soam em redor.
Pipilo ou cicio? Beija-flor ou Clarisse?
Confusão!
Sob a acácia as vitualhas do prazer jazem em silêncio. Escuta-se o segredo da tarde embrulhado num trapo de sentidos já contados. Clarisse sonolenta de gozo, estende a mão para o rosto de Bilhó. Interlúdio de carne. Estrofe de som.
A samambaia estremece no seu verde. Beija-flor saltita. Um toque aqui, outro ali. A carícia de uma asa. Um esvoaçar permanente. Uma íris de cores. Beija-flor está feliz.
Beija-flor ou Clarisse?
Pássaro ou mulher? Pipilo ou cicio? Quem sabe? Quem ouviu?
Gente não foi.
Na casa amarela a tarde acordou. Clarisse sentada no banco da cozinha descasca o feijão. Ploc, ploc e o grão vai caindo na bacia azul. E a bacia vai enchendo, enchendo tal como o devaneio de Clarisse.
Algures um beija-flor, um benjamim de ilusão vai esvoaçando…
Mateso -Artmus

16 comentários:

VFS disse...

Caro Eremita,

a 4 de Abril tenho o lançamento do meu INTERLÚDIOS DA CERTEZA em Lisboa.
Como tal, a confirmar-se tal data, não poderei estar presente.
Resta-me desejar as melhores felicidades.

Obrigado
Vicente (VFS)

Benó disse...

Esta primeira parte está excelente, com trechos bem construídos e de leitura agradável.
Gostei especialmente do da TMara e do Jorge Castro.
Parabéns a todos.

Paula Raposo disse...

Bonitos como sempre. Não poderei estar em Viseu. Dia 5 estarei na Batalha na II Antologia de Poetas Lusófonos e não poderei deslocar-me tão longe. Beijos.

Benó disse...

Gostaria de corrigir uma frase do meu texto: onde se lê...para os poetas e poetisas deste jogo puderem comporem... claro que deverá ler-se: puderem COMPOR.
Um abraço e as minhas desculpas.

tulipa disse...

Gostei dos textos que foram enviados para o 12º jogo, apenas fiquei intrigada com uma situação:
Quando apareceram as palavras de um outro jogo, penso que o 11º, li por aqui algures que tinha ficado acordado que não se aceitavam nomes próprios...daí que usei a palavra Benjamim sem ser o nome de alguém...
Gostaria que me elucidassem acerca desta dúvida que tenho, ou será que entendi mal...?

Excelentes participantes, cheios de muita imaginação e talento.
Eremita obrigado pela oportunidade que nós dás.
Beijos e abraços fraternos.

Mateso disse...

Gostei de todos. Os meus parab´rns a todos vós e um obrigada ao Eeremita.
Bj.

Eli disse...

Olá!

Tal como disse ao Eremita, a apresentação pensada para realizar na Fnac de Viseu, na agenda de Abril, não foi possível. Houve um problema técnico com os contactos da editora. Sabemos como essas coisas são possíveis... Lamentamos e resta-nos continuar a tentar. Será lá para Maio (porque a agenda de Abril já foi fechada)...

Obrigada pela compreensão e esperamos que dessa vez todos possam estar presentes!

:)

Eli disse...

E... Sim! Aceito esse desafio, Eremita! Mas, acredito que já soubesses a minha resposta!

:)

Vamos lá ao 13º!

:))

tulipa disse...

Estás convidado a partilhar
"MOMENTOS PERFEITOS" comigo, neste dia especial.

MUITO OBRIGADO por estares presente na minha vida.

Ofereço uma fatia de bolo, flores e um forte abraço.

Auréola Branca disse...

Fico-me a imaginar como poderia ter em mãos o livro publicado...

anareis disse...

Estou fazendo uma campanha de doações para meu projeto da minibiblioteca comunitária e outras atividades para crianças e adolescentes da minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,preciso da ajuda de todas as pessoas de bom coração,pode doar de 5,00 a 20,00. Doações no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Que DEUS abençõe todos nos. Meu e-mail asilvareis10@gmail.com

Fa menor disse...

Gostaria de notícias tuas...
tenho saudades. Espero que estejas bem!

jawaa disse...

Tantos meses passados, gostaria de saber notícias do nosso Eremita...
As pessoas com quem contactei não souberam dar notícias, não haverá alguém de mais perto, um filho, um neto, que nos diga alguma coisa?
Que escreva uma breve nota para sabermos do seu estado de saúde?
Ficamos à espera...

Paula Raposo disse...

Já te enviei tantos emails...nada sei de ti. Beijos.

jawaa disse...

Notícias do «nosso» Eremita... não há quem dê?
Será possível que ninguém consiga escrever aqui??????

Tati Campêlo disse...

Estou divulgando meu novo blog
www.gastronomiaefotografia.blogspot.com
Se possível de uma passada lá!

Atenciosamente
Tati