segunda-feira, setembro 15, 2008

vens


vejo-te nos meus sonhos

vens, nimbada de luz _


_lembras-te como nos ríamos

das imagens assim iluminadas? _

e que farei agora com esse riso

se é sempre assim que vens?

és tu! sei que sim. sei que durmo

e sonho…no entanto sinto e sei

viver mais do que um sonho

um intemporal presente.


(Para a M.M)


4 comentários:

Paula Raposo disse...

Um bonito poema...beijos.

Justine disse...

Que luminosos, poema e foto!

TMara disse...

belo e suave.
Agora percebi porque os denominas "imitação da poesia".
Para além de quereres afirmar a tua não condição de popeta queres dizer (?) k a verdadeira poesia é avida, ela mesma...
Bjs
Luz e paz

Bichodeconta disse...

Delicioso sentir de palavras que saiem de ti.. Feliz a pessoa a quem as dedicas.. Poema feito vida, vida poema, ela mesmo..Parabéns pela forma de entrega ..O poeta está em ti, quer queiras ou não..